Que Dia é Hoje?

29/11/1947
A ONU vota a criação de uma pátria para os judeus

A proposta de um estado palestino moderno começou com o mandato britânico na Palestina. A Grã-Bretanha controlou a região de setembro de 1923 a maio de 1948. Porém, em 1947, o país apelou à ONU para resolver a questão entre judeus e palestinos que reivindicavam o território.

Em agosto de 1947, a ONU propôs dividir a Palestina em um estado Judeu, um estado Árabe e uma pequena zona internacional. Os árabes rejeitaram a idéia. Assim que a Grã-Bretanha deixou a Palestina, as nações árabes vizinhas, tentaram esmagar o recém-declarado estado de Israel. Os israelenses saíram vitoriosos, afirmando sua soberania. As áreas restantes da Palestina foram divididas a Jordânia, que anexou a Cisjordânia, e o Egito, que ganhou o controle da Faixa de Gaza.

Na guerra árabe-israelense de 1967, Israel, em um período de seis dias, derrotou as forças militares do Egito, da Síria, e da Jordânia e anexou os territórios do Leste de Jerusalém, as Colinas de Golã, a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e a península do Sinai.

Em 1964, foi fundada a Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Em 1974, líder da OLP Yasser Arafat tornou-se o primeiro representante de uma organização não-governamental a discursar na ONU.

A violência outra vez explodiu em 1987, durante o intifada. Em 1988, Yasser Arafat reconheceu o estado de Israel. Em 1993, conversas altamente secretas, na Noruega, entre a OLP e o governo israelense resultaram no Acordo de Oslo. Ficou estipulada a implementação de um auto-governo na Cisjordânia.

Em setembro de 1993, Arafat e primeiro-ministro israelense, Yitzak Rabin, assinaram a histórica Declaração dos Princípios, nos EUA. Como parte do acordo, Israel desocupou a Faixa de Gaza e Jericó, na Cisjordânia, em 1994. A autoridade palestina, com Arafat como líder, tomou o controle das áreas não ocupadas por Israel, assumindo todos os deveres governamentais.

Arafat insistia que Jerusalém, ocupada pelos israelenses, deveria ser a capital do futuro estado palestino. No fim de setembro, no entanto, o impasse gerou a pior onda de violência entre israelenses e palestinos, provocada pela visita de Ariel Sharon ao Haram al-Sharif, local sagrado para judeus e muçulmanos. Sharon acusou Arafat de incitar o terror e pediu sua expulsão do território palestino. Washington anunciou que os EUA não reconheceriam um estado palestino independente até que Arafat fosse substituído.

Em março de 2003, Arafat concordou em compartilhar o poder com um primeiro-ministro. Em dezembro, Sharon anunciou a retirada israelense da Faixa de Gaza. Em 22 de março, 2004, Israel assassinou Xeque Ahmed Yassin, fundador e líder espiritual do Hamas. Todo o mundo de árabe protestou contra o governo israelense. Em poucos meses, o sucessor de Yassin também foi assassinado.

Em 10 de novembro, Yasser Arafat morreu, marcando um fim de uma era da política palestina.