Que Dia é Hoje?

5/3/1953
Morre Joseph Stalin, ditador soviético.

Joseph Vissarionovich Stalin (1879–1953) chefiou a União Soviética por 29 anos, desde a morte de Lênin, em 1924.

Seu verdadeiro nome era Joseph Vissarionovich Dzhugashvili, porém adotou o sobrenome Stalin, que significa homem de aço, por volta de 1913. Filho de um sapateiro, estudou num seminário, do qual foi expulso, e posteriormente aderiu à causa marxista, filiando-se ao Partido Social Democrata do Cáucaso. Tornou-se discípulo de Lênin após a cisão do partido, em 1903, entre as facções bolchevistas e mencheviques.

Após sucessivas prisões mudou-se para St Petersburg e em 1912 tornou-se editor do jornal doutrinário Pravda, que viria a ser mais tarde o jornal oficial do partido Comunista na União Soviética. Novamente preso em 1913, foi deportado para a Sibéria onde permaneceu até ser anistiado em 1917.

Após a Revolução de Outubro de 1917, emergiu como líder do novo regime e teve papel importante na guerra civil de 1918-1920. Foi altamente elogiado por Lênin como administrador, mas também duramente criticado como teórico ou líder político. Ao adoecer gravemente, Lênin escreveu um testamento em que recomendava o afastamento de Stalin, mas morreu sem que isso ocorresse.

Com a morte de Lênin, Stalin, Kamenev e Grigori Zinoviev formaram um triunvirato contra Trotsky, que se apresentava como potencial sucessor.

Com o afastamento de Trotsky em 1925, aliou-se a Nikolai Bukharin, contra Kamenev e Zinoviev, os quais, numa manobra desesperada, se uniram a Trotsky. Mas os três acabaram sendo obrigados a renunciar a seus cargos no Partido Comunista e Stalin, posteriormente, ainda derrubou Bukharin. Todas essas disputas tinham como pano de fundo a economia soviética.

A ala mais à direita, liderada por Bukharin, era favorável a manter as concessões feitas à classe camponesa, e dar continuidade à política econômica de Lênin, conhecida como Nova Economia. A ala mais à esquerda, representada por Kamenev e Zinoviev, desejava promover a industrialização em larga escala, em detrimento da classe camponesa.

Stalin oscilou entre as duas correntes, buscando identificar o Partido Comunista com estabildiade e legitimidade.

Ele também reorganizou as forças armadas segundo rígidos princípios disciplinares oriundos dos antigos czares, promulgou severas leis contra o divórcio e o aborto, colocou a Igreja Ortodoxa sob o jugo do Estado, abandonou a Educação experimental e reforçou a instrução segundo rígidos padrões, e promoveu o renascimento do nacionalismo, ao mesmo tempo em que combatia a ocidentalização da União Soviética e fazia dela a responsável pela expansão do socialismo a qualquer preço.

Tudo isso foi seguido por medidas arbitrárias e um regime de terror. Em 1930, era um ditador no pleno sentido da palavra. O expurgo no Partido teve início em 1934, após o assassinato do seu lugar-tenente, S.M.Kirov , atingiu velhos bolcheviques, como Kamenev, Zinoviev, Aleksey Rykov e Bukharin, que foram executados e chegou ao auge entre 1937 e 1938, com as ações da Polícia Secreta.

Foram criados campos de trabalho forçado, na Sibéria, como Gulag. Com a ascensão de Hitler, Stalin juntou-se à Liga das Nações, tentando uma reaproximação com a Inglaterra e a França, mas não obteve sucesso e temendo a guerra, tentou conciliação com Hitler, firmando um pacto de não-agressão em 1939, para manter a União Soviética fora da 2ª guerra. Mas em 1941 os nazistas invadiram a Rússia e Stalin assumiu a liderança do Exército.

Posteriormente, nas Conferências de Teerã, Yalta e Potsdam, com Churchill e Roosevelt, mostrou-se um diplomata hábil, levando os ocidentais a reconhecerem a esfera de influência da União Soviética na Europa Oriental.

Sempre preocupado em manter a influência e o poder em suas mãos, conservou uma política de repressão e perseguição política até morrer, em 1953. No Congresso do Partido Comunista, em 1956, Nikita Khrushchev e outros líderes criticaram o culto a Stalin, reconhecendo o valor de sua política econômica, mas repudiando os atos de perseguição e terror.

Conteúdos relacionados
» Revolução Russa
» Guerra Fria